Beduíno

Dir. Julio Bressane

12 anos | 2016 | Ficção | Brasil | 75’ | DCP

Um casal bastante curioso – dramaturgos de sua própria existência, na qual a arte surge acompanhada de uma singular pretensão metafísica – procura pela coisa mais difícil, através de repetidas e variadas representações, em um cenário de luz, onde se misturam esperança e desespero.

 

Direção e roteiro: Julio Bressane | Produção: Tande Bressane, Bruno Safadi | Direção de fotografia: Pepe Schettino, Pablo Baião | Direção de arte: Moa Batsow | Colaboração no roteiro e edição: Rosa Dias | Edição: Rodrigo Lima | Elenco: Alessandra Negrini, Fernando Eiras | Produção: Companhia Produtora TB Produções | tbproducoes@gmail.com

 

Julio Bressane

Carioca, nascido em 1946. Começou a fazer cinema profissionalmente como assistente de direção de Walter Lima Júnior, em 1965. Participou de articulações e invenções que consagraram o estilo e o modo de produção do chamado Cinema Marginal. Em 1967, apresenta no Festival de Brasília o seu primeiro longa-metragem, Cara a cara. Em 1970, funda, com Rogério Sganzerla, a Belair Filmes. Bressane viveu alguns anos de exílio em Londres e, quando retornou ao país, em 1972, dirigiu seus interesses para a chanchada, o deboche e o diálogo com tradições da cultura brasileira, como a canção e a linguagem popular. Experimental, provocador, considerado um cinepoeta, já recebeu vários prêmios. Outros títulos de sua vasta e apaixonada filmografia: Cuidado, madame (1970), A família do barulho (1970), Tabu (1982), Brás Cubas (1985), Dias de Nietzsche em Turim (2001), Filme de amor (2003), Cleópatra (2007), A erva do rato (2008), Educação sentimental (2013), Garoto (2015) e Beduíno (2016).

 

Mostra Panorama do Cinema Brasileiro

 

 

 

Espaço Itaú de Cinema
Sexta, 21/10 - 21h00
Segunda, 24/10 - 19h00

R$4 inteira / R$2 meia