Artistas da semana: Jairo Valdati, David Liu e Graciela Sacco

Nos siga nas redes sociais

Jairo Valdati

Você já conferiu a Série Hovenia dulcis e Mapa de distribuição, de Jairo Valdati, que está exposta no Memorial de Curitiba? Ela faz parte da  exposição “Antítese Imagens Síntese”, Massimo Scaringella. Hovenia dulcis é o nome científico de uma árvore nativa da China, Coreia e Japão e a obra de Jairo Valdati tem como sua matéria prima as sementes, que utiliza como pontos que reagem a espaços desocupados.

 

Jairo Valdati

Registro feito pelo artista.

 

“Hovenia dulcis III”, 2017. Mista s/ tela (cerâmica). 120x70cm.

 

Nascido em Jacinto Machado, Santa Catarinaem 1969, artista e geógrafo. Cursou o doutorado e tornou-se pesquisador da Universidade de Módena, Itália. Em seus trabalhos procura uma integração entre arte e ciência.

 

David Liu  

Combinar ideias e o controle manual com técnicas e materiais industriais é algo característico do trabalho de David Liu, que participa da Bienal sob curadoria de Fang Zhenning, na exposição Vibrations, presente no MON.

O artista, a partir de imagens coletadas na rede, projeta ações que podem ser reproduzidas automaticamente. Assim, seu processo funciona através do sistema, o que pode ocorrer a qualquer momento em um fluxo produtivo de formalidade desconhecida, programada e socializada. 

 

David Liu  David Liu

David Liu / 刘大卫 |Nothingness of the universe – 1, 2016.Acrílico, corte a laser. 200 x 148 cm.

 

 

David Liu / 刘大卫 | Nothingness of the universe -3, 2016.Acrílico, corte a laser. 200 x 360 cm.

David Liu nasceu em 1970 em Shenyang. Graduado da Academia Luxun de Belas Artes, especializado em fotografia. Desde 2014, dedica-se como artista profissional ao campo da arte contemporânea.

 

Graciela Sacco

Levantar conceitos  éticos e políticos vinculados ao desencontro do sujeito com seu próprio tempo faz parte do trabalho da artista argentina Graciela Sacco.  A obra “Fuerón al norte para Llegar al Sur”,  integra a exposição ‘Além da Fotografia’ e pode ser visitada na Sala 1 do Museu Oscar Niemeyer

Segundo o curador Tício Escobar, o que se apresenta são “os angustiantes deslocamentos do exílio, as corridas desesperadas provocadas por uma perseguição ou desbande, a pressa em alcançar a última chance ou a perda do local exato remetem ao diferimento contínuo do tempo e espaço.”

 

“Fuerón al norte para Llegar al Sur”, 2014. Técnica mista. Instalação interativa. 250x600cm.


Graciela Sacco é reconhecida uma das artistas visuais argentinas de maior destaque na contemporaneidade. Representou a Argentina em diversas bienais e exposições pelo mundo, teve seu trabalho marcado por questões políticas, sociais e econômicas. A partir do uso de diferentes processos técnicos e por meio de instalações, objetos, interferências urbanas, vídeos, suas obras apresentaram imagens de tensões, que exploram as relações entre sujeito e objeto, luz e sombra, espaço e suporte. Através da apropriação de imagens de mídia de massa, a artista nos permitiu materializar ideias e conceitos comprometidos com o contexto social em que nos inscrevemos. A artista faleceu no dia  05 de novembro de 2017.