Bienal tem programação prorrogada

Nos siga nas redes sociais

 

Você tem mais uma semana para visitar a Bienal de Curitiba ‘17! Até domingo, dia 04/03 teremos exposições abertas ao público no Memorial de Curitiba, Museu Paranaense, Hall da Secretaria de Estado da Cultura e Sala 9 do MON.

Entre as exposições que ainda podem ser vistas até o início de março estão “A Colagem Expandida – Clube da Colagem de Curitiba” no MuMA Portão Cultural, “Por Que O Mundo Não Deve Perder Seus Afetos”, de curadoria de Dannys Montes de Oca e Royce Smith no Memorial de Curitiba, exposição com obras da chinesa Maria Cheung no Hall da Secretaria de Estado da Cultura, e as mostras “Dualidades Humanas”, “Tiluk e a obra de Guadalupe Miles” e “Opera Hominium”, estas presentes na Sala 09 do MON.

 

•Memorial De Curitiba

 

 

Porque o mundo nunca deve perder seus afetos (até 4/3)

 

 

Resumo: Trata sobre nossas antípodas (razão-emoção, local-global, etc), procurando entre seus interstícios o advento de “tempos interessantes”, capazes de manter as melhores reservas da condição humana.

Curadoria Royce Smith e Dannys Montes de Oca

 

Horário Memorial: de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h. Sábado e domingo, das 9h às 15h.

Local: Memorial de Curitiba (R. Claudino dos Santos, 79 – Setor Histórico)

 

• Hall da Secretaria de Estado da Cultura

 

 

 

 

Resumo: Maria Cheung, nascida na China,1957.Seu trabalho é evidenciado pelo resgate cultural através de instalações de arte conceitual.Sua obra foi referenciada em duas importantes publicações como personalidade artística. Realizou exposições na Alemanha, Argentina, Áustria, China e Brasil, acumulando vários prêmios. Vive e trabalha em Foz do Iguaçu e mantém um atelier desde 1995.

Horário: de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h
Ingressos: gratuito

Hall da SEEC – Secretaria de Estado da Cultura (R. Ébano Pereira, 240 – Centro)

 

 

• Museu Paranaense

 

Porque o mundo nunca deve perder seus afetos (até 4/3)

 

 

 

Resumo: Trata sobre nossas antípodas (razão-emoção, local-global, etc), procurando entre seus interstícios o advento de “tempos interessantes”, capazes de manter as melhores reservas da condição humana.

Curadoria Royce Smith e Dannys Montes de Oca.

 

Horário Museu Paranaense: de terça a sexta-feira, das 9h às 18h. Sábado e domingo, das 10h às 16h
Entrada franca

Museu Paranaense (R. Kellers, 289 – São Francisco)

 

• Museu Oscar Niemeyer

Apenas sala 9

 

Opera Hominium

 

 

 

Local: MON – sala 9
Resumo: Obra do artista José Rufino. A instalação é composta por 21 painéis que exibem monotipias das mãos de trabalhadores de uma usina – 20 operários e uma única mulher, funcionária da administração – impressas sobre recibos de pagamento coletivo.

Curadoria de Leonor Amarante.

 

Tiluk e a Obra de Guadalupe Miles

 

 

Local: MON – sala 9
Resumo: É exposto o longo trabalho de pesquisa fotográfica de Guadalupe Miles sobre vários momentos da comunidade Wichi, localizada em Santa Victoria Este, no Chaco de Salta.

Curadoria de  Tulio de Sagastizabal.

 

Dualidades humanas

 

 

 

 

Local: MON – sala 9
Resumo: A exposição mostra as dicotomias da vida e

Curadoria de  Brugnera.

 

• MUMA

 

A Colagem Expandida: CCC na Bienal de Curitiba

 

 

Resumo: Com o objetivo de vislumbrar o potencial da colagem como linguagem intermediária entre as demais formas de expressão artística, o Clube da Colagem de Curitiba convidou artistas para investigar a área cinza da intertextualidade e abordar suas pesquisas individuais através da perspectiva da colagem em campo expandido.

 

Horário: de terça-feira a domingo, das 10h às 19h.

Entrada franca

Local: MuMa – Museu Municipal de Arte – Portão Cultural (Av. República Argentina, 3430)

 

_

Registros: Claiton Biaggi e Irmãos Thoms

Via Bienal

Baixe o release aqui