Galeria de imagens

Sedes da Bienal na América do Sul • Córdoba, Argentina.


Museu Caraffa de Córdoba, na Argentina, se soma às comemorações dos 25 anos da Bienal de Curitiba. Na última quinta-feira, dia 9 de agosto de 2018, a Bienal de Curitiba esteve em Córdoba, Argentina, para abertura da exposição Interior Anterior, do artista curitibano André Nacli, no Museo Emilio Caraffa. O museu integra a programação de exposições da Bienal de Curitiba na edição especial e comemorativa aos 25 Anos de história da Bienal, celebrados em 2018.

André Nacli nasceu em Curitiba, Paraná, onde atualmente vive e trabalha. Cursou arquitetura e o interesse pela área se perpetuou, refletindo na forma em que enxerga o mundo arquitetônico com o mundo natural. O tempo, o silêncio e as forças da natureza e a obra do homem são temas recorrentes em seus trabalhos. Explorações pela cidade natal e viagens pelo mundo resultaram em séries fotográficas diversas as quais revelam a interação do fotógrafo com lugares tão distintos. A mostra de Nacli é uma série de fotografias cuja poética liga de um modo poderoso mas delicado, a ordem natural da existência com a ordem cultural: aquela que a humanidade procura estabelecer no mundo. As imagens aparecem como limiares, espaços possíveis onde a dominação do homem sobre a natureza ocorre, ou vice-versa, onde seu fracasso é evidente. O crítico de arte paraguaio Tício Escobar assina o texto da mostra.

A Bienal de Curitiba 2018 | 25 Anos é uma realização do Ministério da Cultura do Governo Federal, da Secretaria de Estado da Cultura do Governo do Paraná, e da Fundação Cultural de Curitiba da Prefeitura Municipal de Curitiba, em parceria com o Museu Emilio Caraffa de Córdoba, Associación Amigos del Museo Caraffa, Agência Córdoba Cultura e Governo da Província de Córdoba, Argentina.

Sedes da Bienal na América do Sul • Assunção, Paraguai.


Sedes da Bienal na América do Sul [Assunção, Paraguai]
O Museo Nacional de Bellas Artes do Paraguay se soma às comemorações dos 25 anos da Bienal de Curitiba, com intervenção cinematográfica da renomada artista e cineasta Paz Encina. A inauguração aconteceu no dia 31 de julho, em Assunção.

Além da artista Paz Encina e do curador Tício Escobar, estiveram presentes o diretor da Biblioteca Nacional do Paraguai, Rubén Capdevila, diretor, a Diretora Geral de Diversidade, Direitos e Processos Culturais da Secretaria Nacional de Cultura do Paraguai, Estela Franceschelli, a Diretora do Museo Nacional de Bellas Artes do Paraguai, Regina Duarte, o presidente da Bienal Internacional de Curitiba, Luiz Ernesto Meyer Pereira e o Diretor Geral de Patrimonio Cultural da Secretaria Nacional de Cultura do Paraguai e Diretor do Museo del Barro, Osvaldo Salerno.

A obra “Viento Sur” é um curta-metragem que descreve a história de pessoas desaparecidas no Paraguai da década de 1970, período mais violento da ditadura de Alfredo Stroessner no país. O trabalho da artista mantém um diálogo estreito com a arte contemporânea e é exibido em diversos museus ao redor do mundo. No Paraguai, além da intervenção no Museo Nacional de Bellas Artes em comemoração aos 25 anos da Bienal de Curitiba, a artista está presente também em uma retrospectiva na Fundacíon Texo, na exposição “El río de la memoria: Obras de Paz Encina 1998-2018”.

Oficina “As cores de Marta Minujín”, com Patricia Pellegrini.

À convite da Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba, a premiada escritora argentina Patricia Pellegrini esteve em Curitiba – PR (Brasil), entre 11 e 15 de junho de 2018 para ministrar oficinas de desenho livre para crianças e adolescentes, inspiradas em obras da renomada artista argentina Marta Minujín. Os materiais produzidos nestas oficinas resultarão no material educativo da Bienal de Curitiba 2018 | 25 anos.

As instituições que receberam as oficinas foram o Centro Juvenil de Artes Plásticas (Governo do Paraná), Colégio Estadual do Paraná (Governo do Paraná), Escola Municipal Professor Brandão (Prefeitura de Curitiba) e Escola Municipal Coronel Durival Britto e Silva (Prefeitura de Curitiba). Ao todo, foram realizadas 9 oficinas.

 

Patricia Pellegrini, dentre diversas outras atuações, é autora dos livros para crianças “Amílcar e Guillermo Roux” e “Amílcar Antonio Seguí”. No ano de 2014 recebeu o Prêmio Nelson Mandela da Paz no World Peace Forum de Luxemburgo.