O Circuito Universitário da Bienal de Curitiba entra em sua quarta edição e segue resistindo com a proposta de integrar trabalhos de jovens artistas lado a lado com artistas conceituados internacionalmente.

Se vida de artista não é fácil, vida de artista em início de carreira é mais difícil ainda. Começar a expor em galerias e museus de visibilidade é um trajeto árduo que exige não apenas um trabalho consistente, mas também um currículo de atuações que nem sempre um artista jovem consegue apresentar.

Foi pensando em todas as dificuldades desse percurso que a curadora e professora de Arte da Universidade Federal do Paraná, a alemã radicada brasileira Stephanie Dahn Batista, idealizou com a Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba o CUBIC.

O Circuito Universitário da Bienal de Curitiba é um projeto único no Brasil. Consiste em um edital aberto para universitários de qualquer área do conhecimento que apresentem produções artísticas. A partir da inscrição na chamada aberta do CUBIC, os trabalhos passam por uma seleção curatorial – que este ano conta também com as curadoras Isadora Mattioli e Fabrícia Jordão – e cerca de trinta jovens artistas são escolhidos para expor suas obras em museus da cidade de Curitiba, no âmbito de uma bienal internacional de arte contemporânea.

O grande trunfo do projeto é integrar as poéticas de artistas em início de trajetória lado a lado com artistas já conceituados e renomados internacionalmente. A Bienal de Curitiba está hoje em sua 14ª edição e já apresentou artistas como Marina Abramovic, Ai Weiwei, Louise Borgeouis, Bill Viola, Arthur Bispo do Rosário, Bruce Nauman, entre muitos outros.

Em 2019, o CUBIC está em sua quarta edição e ganhou uma categoria nova: crítica de arte. Além dos trinta artistas selecionados no CUBIC4, foram elegidos também três jovens críticos, que farão trabalhos de pesquisa e crítica dos projetos apresentados nesta Bienal. Além de promover a apresentação das obras do grupo para o grande público visitante da Bienal, o CUBIC promove grupos de trabalho ao longo das semanas que antecedem a abertura da Bienal, discutindo teorias e práticas em grupo sob a orientação das curadoras.

Imersão no Campo das Artes

Às vésperas da abertura do CUBIC4 na 14ª Bienal de Curitiba, o grupo de jovens artistas e críticos teve a oportunidade de participar de uma imersão promovida pela Bienal no Campo das Artes, um espaço de 164 mil metros quadrados destinado à residências artísticas e idealizado pelo ator Luís Melo no município de São Luiz do Purunã (a 60km de Curitiba). Durante dois dias de imersão, o grupo discutiu processos criativos, além de ajustarem os detalhes finais sobre a produção das obras e sobre a expografia, em preparação para a abertura da Bienal. Este ano, as obras serão expostas em cinco museus de Curitiba.

As exposições do CUBIC4 serão inauguradas entre os dias 24 e 25 de setembro de 2019 e estarão presentes em diversos museus de curitiba como Museu da Gravura, MuMA- Centro de Artes Digitais, MusA – Museu de Arte da UFPR, Galeria do Departamento de Artes da UFPR e a Galeria de Arte da EMBAP.

UM POUCO MAIS SOBRE O CUBIC – Circuito Universitário da Bienal Internacional de Curitiba

 O CUBIC foi criado em 2013, na edição comemorativa de 20 anos da Bienal de Curitiba. Sob curadoria de Stephanie Dahn Batista e Ângelo Luz, o Circuito Universitário foi lançado com a intenção de integrar os cursos de Ensino Superior das Artes Visuais nas diferentes instituições de Curitiba, criando diálogo, troca de experiências e visibilidade às pesquisas poéticas dos e das estudantes. Em sua primeira edição, contou com a participação de 38 jovens artistas, que puderam apresentar seus trabalhos em diferentes espaços da cidade.

Em sua segunda edição, em 2015, o CUBIC expandiu seu critério de seleção, possibilitando a inscrição de artistas de outras áreas de conhecimento, e não apenas das Artes Visuais. Com isso, pode dar espaço para visibilidade da arte emergente na cidade, independente de sua lugar de origem. No CUBIC 2, se solidificou o caráter interdisciplinar e de ponte de conexão. Na última edição, realizada em 2017, o CUBIC cresceu ainda mais, contemplando trabalhos de estudantes de outras localidades, através convênio da Bienal Internacional de Curitiba, com a UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina. Além disso, houve a participação especial de universidades de Córdoba (Argentina) e de Assunção (Paraguai), a fim de ampliar a troca de trabalhos  entre as regiões da América Latina.

Sobre a Bienal

A 14ª Bienal de Curitiba acontece de 21 de setembro de 2019 até 01 de março de 2020. Nesta edição conta com o tema “Fronteiras em Aberto”, assinado pelos curadores Adolfo Montejo Navas e Tereza de Arruda. A programação geral terá a participação de artistas dos cinco continentes, com destaque para artistas da Rússia, Índia, China e África do Sul – países membros do bloco BRICS.

Esta edição ocupará todos os museus e centros culturais de Curitiba, e também terá sedes em outras cinco cidades do Paraná, além de Florianópolis (Santa Catarina) e Brasília (Distrito Federal). Ao longo dos meses de realização do evento, o público contará com uma agenda intensa de circuitos, palestras, intervenções urbanas, oficinas, como os já tradicionais Circuito de Galerias, Circuito de Arquitetura, Circuito de Ateliês, Circuito Universitário (CUBIC), Semana de Performances, entre outros. 

Por fim, expandindo ainda mais suas fronteiras, a Bienal contará com uma programação de mostras internacionais em países da América do Sul e Europa. A programação completa pode ser conferida nas redes sociais e site da Bienal de Curitiba.

Patrocínio: Furnas, Copel, Havan, Bergerson.

Realização: Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal de Curitiba, Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Governo do Paraná, Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania do Governo Federal.